Saturday, July 23, 2011

Valéria


“Parecemos tão livres - e estamos tão encadeados... “
( Robert Browning)



...a cada dia uma mulher diferente, as pequenas flores circundavam as brancas maiores, pequenas e espiraladas, um estilizar de pétalas imitando o labirinto no vestido.
Não há como evitar a ilusão de múltiplos caminhos - de todas as imagens, labirintos: espirais, angulares, retilíneos - detentores de no máximo duas ou três reais saídas, para os começos despercebidos.

Sua maneira de ser todas as mulheres que ela era: superava expectativas e barreiras.
O cabelo tinha cores metamórficas, brotadas de si mesmo.
O tom do corpo era o da sua alma, alçando vôo ou arremessada.
Os lábios de mordiscar-se acendiam rubras faces. E não havia movimento de dança mais inusitado do que a forma renovada de suas sobrancelhas.
Nela vi e perdi de vista: muitas mulheres. Outonais ou primaveris, escandalizando ou escandalizadas e como não poderia deixar de ser, entre o modo de ninguém e de todas, havia no seu olhar a pena de uma tristeza empoçada.

Julio Almada Do Livro Caderno de Ontem

No comments:

Poemas Reclamados

Loading...