Sunday, February 14, 2010
















Talvez eu não mais a Encontre


Talvez eu não mais a encontre

e seja desta forma o tempo nosso açoite.

Esvaziada a ampulheta tida como minha

e a tua ainda siga respirando outros caminhos.

Quem sabe a partida ou o esvaziar não seja linha

um círculo enredado em nossa forma de avistar os dias.

quem sabe eu queira um recomeço e lançe as mãos para

contar o tempo com o inverso da ampulheta. Areia e silêncio

desenharão o estar de minha mão em teu detido tempo

ou no reter da esperança de alheias vidas que interceptam

o roçar suave da solidão que tenho na carícia que anseias.


1999



Julio Almada In Livro Instantâneo Enlace

No comments:

Poemas Reclamados

Loading...