Travessia



Parece que Morrerei amanhã:
Cortando o que não é alma,
O sangue é uma bala-irmã.
E matando mantém vivo
O que se diz corpo e é:
Sem saber porto e desatino.
Quero libertar a alma do corpo
Porque só de alma vive o morto.



Julio Almada

Comments

j said…
Olá Julio,"só de alma vive o morto", em seu corpo, agora fendido, e os espíritos rezam: a aleluiia nos ventos, que acordam-se em cada oração, ou versos...
Gostei de teus versos e formas...
Tb gostaria de saber mais sobre o que desejas.
abraços
João Costas filho

Popular posts from this blog

Heracles

A Deus Curitiba

Poeta no Equador